Ancorada ao vento


I'm so fuckin' back! Este é o tão aguardado regresso a casa. À minha. À vossa. Há quatro anos atrás, o às cavalitas do vento tornou-se uma extensão de mim mesma, o espaço que acolhi no meu coração com um desejo incandescente: ser absolutamente feliz. Em 2015, quis o destino que a minha vida desse uma volta de 180 graus. Remei contra a maré para manter à tona um barco que mergulhava nas profundezas do oceano, procurei respostas para os pensamentos que teimavam em esvoaçar ininterruptamente na minha mente e, pelo caminho, apercebi-me de que as mesmas nunca precisaram de ser verbalizadas; embalei sentimentos desgastados pelo tempo, mas, no fim, tomei a liberdade de despir todos os farrapos. Sinto-me tão livre! 

Nas minhas introspeções diárias, constatei que sorver o presente tem uma magia inexplicável, assim como a autoconfiança tem de ser a base de tudo. Ela é, de facto, a melhor peça de roupa que podemos vestir. Aliás, não precisamos de chegar ao fim do desafio para encontrarmos a paz de espírito há muito perdida e a forma mais honesta de seguir o voo da andorinha. O segredo demora-se na casa de partida. E o mundo, esse, não acaba por faltar uma peça que parecia essencial à continuação do jogo; simplesmente temos de aprender a fazer as próximas jogadas sem ela. E, garanto-vos, sabe tão bem...

Não carreguem o mundo aos ombros. Tirem um tempo para vós e parem para respirar. Não façam da vida um bicho de sete cabeças. Ela é um bem demasiado precioso para ser levada a sério - e vamos sempre a tempo de compreender o verdadeiro significado desta máxima! Descubram o vosso escape, a vossa zona de conforto e o vosso porto de abrigo. Colocar no topo da lista? Afastar todas as energias negativas. Eu regressei às minhas caminhadas (não corro para nenhum transporte público) e à meditação, iniciei-me no stretch, dediquei-me ainda mais à alimentação saudável, inscrevi-me na escola de condução, fiz a minha primeira tatuagem, adotei o Dickens the cat, redescobri-me como mulher, reencontrei amigos de longa data, fiz novas amizades, conheci amores verdadeiros, viajei pelo mundo e apostei em projetos criativos. 

Pode parecer-vos o mais batido dos clichés, mas façam por viver o momento e apreciá-lo em toda a sua plenitude. A confiança constrói-se a partir de um laço indizível, que tem de começar em nós. Sempre que ficarem sem chão, ergam a cabeça. Olhem para o céu e pensem que o melhor ainda está para vir. Encarem os problemas com um ímpeto vulcânico. Façam o melhor por vós. Sempre! Confiem nas vossas capacidades e nunca deixem de acreditar que os sonhos estão na palma da mão. Eu farei questão de estar deste lado a relembra-vos que a vida não é assim tão aborrecida e que todos nós temos o condão de fazer alguém feliz.

[Ph: © Sílvia Ferreira para a produção NYOS/Trendy]

--- 

Mil obrigadas às Amélies da minha vida: 
 à Ana Garcês pelo design do blogue e à Susana Almeida pelo logo de sonho. 

Podem seguir-me no Instagram: @ascavalitasdovento

7 comentários:

  1. Estou tão de coração cheio por estares de volta. Acho que não tens bem a noção de quanto adorava o teu blogue há uns anos atrás e tu paraste de escrever de repente. Quando vi a atualização na página do facebook não queria acreditar, depois de tanto tempo!
    Sê bem-vinda novamente à tua casa, aonde pertences. Eu estarei aqui sempre para te ler!

    Marli, do My Own Anatomy ✵

    ResponderEliminar
  2. Oh Joaninha <3 se tu não és uma inspiração, não sei quem seja. Fico tão contente por estar cá no teu regresso! Fico por cá!

    Jiji

    ResponderEliminar
  3. E não podias ter voltado com palavras mais sábias e bonitas. O que dá sentido à vida é ser feliz, sempre mais feliz e há que fazer por isso :) Por aqui fico muito feliz por saber que estás de volta <3

    ResponderEliminar
  4. "O segredo demora-se na casa de partida. E o mundo, esse, não acaba por faltar uma peça que parecia essencial à continuação do jogo; simplesmente temos de aprender a fazer as próximas jogadas sem ela.” —> Esta é daquelas frases que podia bem tornar-se uma citação famosa de forma instantânea! Que maravilha poder voltar a ler-te. Continuei a seguir pelo Instagram que, por si só, pode bem ser uma forma de micro-blogging, mas no teu caso sempre senti que tinhas muito mais a dizer e que um dia irias voltar a este cantinho. Felizmente tinha razão. :)

    Adorei ler sobre o que fizeste para voltares a ti mesma depois de uma enorme mudança na tua vida. Cliché ou não, são coisas que sabem bem ler quando precisamos, porque às vezes achamos que sabemos o que fazer nesses casos, mas depois não o aplicamos à nossa própria vida.

    Vai ser um prazer voltar cá com regularidade daqui para a frente, Joaninha!
    Estou feliz por teres voltado a estas lides blogosféricas. :)

    Joan of July

    ResponderEliminar
  5. Continua a colocar por escrito o que te vai na alma,orgulhosa de ti filha.

    ResponderEliminar

Instagram