sessão de cinema | Um Encontro às Cegas


Os filmes franceses arrebatam sempre o meu coração. Talvez seja um amor que se demora nas recordações das minhas viagens a Paris, na voz sedutora de Françoise Hardy, nos rasgos de doçura de Amélie Poulain ou nas gargalhadas que soltava a rever em loop o clássico Les Visiteurs, com Jean Reno. A longa-metragem Un peu, beacoup, aveuglément!, do realizador e protagonista masculino Clovis Cornillac, entrou diretamente para a minha lista de favoritos no que toca às comédias românticas com um toque de genialidade.

Um jantar no Cinema City Classic Alvalade, para matar saudades da deliciosa tosta Hitchcock, proporcionou um convite inesperado para a antestreia deste miminho cinematográfico. Machin (Clovis Cornillac) é um homem de feitio torcido que vive isolado na sua kitchenette, alheado do mundo por opção. Comprazimento, sente-o quando se encontra a sós com o silêncio nesta ampla divisão, gélida como o ferro dos seus arcaicos quebra-cabeças e das suas fórmulas matemáticas. Por sua vez, Machine (elegantemente interpretada por Mélanie Bernier, cuja beleza não passou despercebida em La Délicatesse, fita com Audrey Tautou) é uma talentosa pianista, que se sente acorrentada às expetativas do seu professor de música, Evguenie. Vive da e para as partituras do soturno compositor Chopin, mas, a certa altura, constatamos que precisa de ser livre e solta como vento, para que a sua arte ecoe no tempo e ascenda ao céu. A personagem feminina muda-se então para o apartamento ao lado de Machin e é aqui que a antítese 'quietude/bulício' começa a entusiasmar o público, talvez até a bombear os corações mais apaixonados. Separados apenas por uma parede, que não parece abonar a favor do isolamento de som, estes dois espíritos intensos são colocados à prova.

Pode a distância física ser uma barreira para um amor mágico ou, pelo contrário, surgir como a luz ao fundo de túnel, que conduz à sobrevivência de uma relação? Como podemos resistir à ausência do toque, à inexistência do cheiro, à carência da alquimia da paixão? Mas o nada é tanto quando temos alguém com quem partilhar uma vida inteira.

---


Realizado por Clovis Cornillac
Sessões de cinema
Castello Lopes Fórum Sintra (16h00, 18h30, 21h25, 23h00)
Cinema City Classic Alvalade (13h40, 15h45, 17h35, 21h45, 00h20)
O Cinema da Villa (14h10, 16h00, 19h40, 21h30)

2 comentários:

  1. Sou uma lamechas do pior, por isso o trailer já me conquistou ahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O filme é uma delícia, minha querida. Se quiseres sugestões de filmes franceses, posso dar uma ajuda. Um grande beijinho*

      Eliminar

Instagram