Pare, Escute e Mude, de Diana Patrício

quarta-feira, agosto 17, 2016

Se somos o que comemos? Sem sombra de dúvida! Aliás, na Bretanha, há vários séculos que ecoa no tempo um provérbio repleto de sabedoria: “alimenta bem o teu corpo, a tua alma ficará lá mais tempo”.


É verdade que nesta altura do ano a preocupação com o nosso corpo e com o nosso bem-estar emocional é redobrada. O verão torna-se sempre sinónimo das tão aguardadas "férias grandes"; os pés anseiam passear descalços e sentir a areia cálida, os cabelos desejam exalar o irresistível aroma a coco, as pernas querem ver a luz do dia e adquirir aquele arrebatador tom bronzeado. Mas nunca, nem por um só segundo, se esqueçam que esta estação soalheira pode também agravar o nosso estado de saúde, se não formos cautelosos sob condições atmosféricas intensas.

Tenham isto em atenção! Não abusem da luz solar direta, sobretudo na horas não recomendadas pela Organização Mundial de Saúde, optem por refeições mais leves e nutritivas, como, por exemplo, legumes e fruta, e evitem passar demasiado tempo dentro de água, caso esta situação se verifique imediatamente a seguir ao almoço.

Como leitores do Às Cavalitas do Vento, certamente já terão percebido que, por aqui, damos preferência aos produtos de beleza de origem natural, não testados em animais, e a todas as maravilhas que vêm da terra. Ao longo dos anos, fui percebendo as reações do meu organismo a determinados medicamentos e a influência que os mesmos tinham no meu dia a dia. A médica de família que me acompanhou até aos meus 25 anos não era a maior adepta de antibióticos e, sobretudo, de comprimidos para a gripe; e, verdade seja dita, hoje em dia, só tenho a agradecer-lhe por isso. Descobri na natureza e nas mezinhas da minha avó Tília várias propriedades curativas. Desde criança que tomo xarope de cenoura para a tosse, borrifo a almofada com perfume de alfazema para ter uma noite tranquila, coloco rodelas de batata na cabeça quando tenho uma enxaqueca. Tudo resulta! Não quero com isto dizer que descuro a medicina praticada num hospital ou centro de saúde; pelo contrário, acredito é que a naturopatia pode coexistir e ajudar-nos a levar uma vida mais salutar e feliz.


Nesse sentido, o livro Pare, Escute e Mude, da naturopata Diana Patrício, editado pela Chá das Cinco, uma chancela da Saída de Emergência, chegou à minha vida como uma bússola. Prevenir e cuidar de todas as doenças recorrendo a plantas medicinais tornou-se na minha maneira de escutar os sons do meu corpo. Procuro ler-lhe os sinais que me levam a crer que algo está errado, para tentar encontrar uma resposta na Mãe-natureza.

Segundo Diana Patrício, as maleitas são desequilíbrios que se alojam no nosso organismo. Harmonizá-lo deve passar a ser a nossa principal preocupação; por outro lado, a medicina tradicional centra-se, primeiramente, na raiz do mal. Não é uma demanda que considero estar totalmente errada, uma vez que defendo que a convenção pode caminhar de mãos dadas com uma abordagem mais holística à saúde.

Levando a bom porto a premissa de ter uma vida mais saudável, esta naturopata colocou de lado os laticínios, os açúcares e todos os alimentos processados; ou seja, decidiu focar-se em estratégias específicas para melhorar o seu conforto físico e interior. Para as infeções na garganta recorre ao gengibre e à alteia, para a azia prepara uma infusão de erva-cidreira, para as queimaduras solares socorre-se de um óleo de alfazema. Ah, e sabiam que, finalmente, encontrei a resposta para o facto de gostar tanto de mexer nas orelhas das pessoas que me são próximas (é uma cisma que tenho desde bebé)? Ajudam a apaziguar o nosso sistema nervoso! Espantados? Experimentem, mas, ressalvo, não se esqueçam de falar com o vosso médico de família. 

[O livro foi gentilmente cedido pelas Edições Chá das Cinco, uma chancela da editora Saída de Emergência, mas a minha opinião é absolutamente imparcial.]

You Might Also Like

2 comentários

  1. Olá minha querida :)
    Adorei este post, fiquei cheia de curiosidade para conhecer esse livro. Concordo com tanto do que disseste.. Quanto aos produtos naturais estou agora a trocar os meus produtos todos aos poucos e quanto aos antibióticos / medicamentos concordo em absoluto contigo ,detesto tomar químicos, tento sempre outras alternativas e já percebi que o corpo começa a reagir muito melhor é só uma questão de hábito. Um beijinho *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico tão feliz que tenhas encontrado inspiração nesta publicação.
      É um prazer-te receber-te por aqui. És sempre bem-vinda.
      Um enorme beijinho*

      Eliminar