Páginas Salteadas | biscoitos de alecrim e batido de abacate hyggelig no verão


Alegria, bem-estar, presente, dádiva, luz. O povo mais feliz do planeta ensinou-me que, neste pentagrama, reside a fórmula mágica para a felicidade plena. Sem tradução para outras línguas, à semelhança da nossa saudade, a aconchegante palavra dinamarquesa “hygge” aninhou-se em todas as divisões do Ninho do Vento – dos móveis em madeira às cerâmicas, passando pelas velas, pelos chás, pelas meias tricotadas e pelos livros. Na nossa casa, apreciam-se os detalhes mais puros da vida.


Ter sido envolvida pela bondade e pela transparência da minha avó materna, a minha voz da Tília, fez com que, desde cedo, sentisse desapego pelo american way of life. O tempo não é um bem material, não pode ser comprado, usurpado, surrupiado. Por ser indomável e tremendamente obstinado, temos de saber dar-lhe tréguas, prolongá-lo com a nossa serenidade e apaziguá-lo com a consciência do tempo verbal que conjugamos a todo o instante.

A cultura nórdica caminha de mãos dadas com a minha essência desde que me cruzei com as lendas e contos escandinavos, com as coffee shops dedicadas à arte do slow coffee, com o calor de uma lareira nas noites embaladas pelo cântico da chuva. No inverno, o crepúsculo de sábado conduz-nos até à Casa do Fauno, ao crepitar da madeira e ao calmo contentamento de um chocolate quente. Não há privações forçadas nas quatro estações da nossa alma, uma vez que as desejamos por inteiro.  


Portugal pode até não aplicar as políticas sociais que lhe permitem alcançar o topo do ranking do World Happiness Report Update (relatório anual da ONU), mas cada um de nós pode costurar a sua biografia de uma forma mais hyggelig.

“Os dinamarqueses são os mais felizes da Europa, mas também são os que mais se reúnem em família e entre amigos, sentido-se mais tranquilos e em paz”, relembra Meik Wiking, Diretor do Instituto de Busca pela Felicidade de Copenhaga e autor do livro de agosto do projeto “Páginas Salteadas”O livro do Hygge - O segredo dinamarquês para ser feliz (editora IN, da Zero a Oito).

   
Desengane-se quem pense que o mantra Hygge se veste às camadas apenas no inverno, qual Ygritte em A Guerra dos Tronos. O verão, esse, é um convite para assistir ao solstício à beira-mar, passear de mãos dadas ao ar livre, cuidar da horta biológica no terraço. Também pode ser sinónimo da música que nos faz sonhar (por aqui, ouve-se esta banda sonora) e do paladar que se enamora pelos sabores familiares, suaves e apizaguadores. E para celebrar o facto de ter sido escolhida para ser embaixadora da marca sueca de meias Happy Socks, preparei duas receitas minimalistas, saudáveis e imprescindíveis para apelar aos vossos cinco sentidos. 

Biscoitos de alecrim
1/3 de chávena de açúcar de coco (Biona Organic, à venda nos supermercados Go Natural)
1 chávena de farinha de coco (Seara)
2 colheres de chá de alecrim biológico fresco
1 barra de manteiga Ghee (Prozis)

Batido de abacate, coco e amendoim
[serve duas pessoas]
2 bananas congeladas, cortadas em pedaços
1/2 acabate maduro
300 ml de bebida vegan de amêndoa (ou avelã)
4 cubos de gelo
Canela a gosto
1 colher de sopa de pólen de abelha
1 colher de sobremesa de Maca em pó (Iswari)
2 colheres de sopa de manteiga de coco e amendoim (Biomit, à venda na Maria Granel)

Ao jeitinho do Ninho do Vento
Para preparem os vossos biscoitos de alecrim da floresta, triturem os quatro ingredientes que referi num robot de cozinha. Vertam a massa para uma tarteira redonda com cerca de 23 cm e calquem-na, até a mesma preencher por completo a base de alumínio. Deixem-na cozer no forno a 165º durante 30 minutos; e não deixem passar a oportunidade de observá-la a crescer e a dourar ao calor. Já sentem o cheiro a terra molhada e as árvores do bosque a invadir a vossa cozinha? É uma sensação fantástica, não concordam? Deixem a vossa tarte arrefecer por cinco minutos, antes de a cortarem em fatias. Decorem-nas com elementos da natureza, como pinhas, folhas ou colheres de madeira (a minha foi feita pela Tatiana Albino, do projeto Crafty Tats), ou cortem alguns figos em forma de flor (a Sílvia, do blog O Dia da Liberdade, é minha vizinha e presenteou-me a semana passada com um cesto). No final, verão que a simplicidade da decoração permite-vos desfrutar dos verdadeiros prazeres da culinária. Para acompanhar o vosso relaxante banquete, preparem um batido de abacate, coco e amendoim. Precisarão apenas de misturar os ingredientes num liquidificador até obterem um líquido cremoso. Det' Okay!

Espero que já tenham preparado o vosso sofá para o episódio desta noite. O que pensam que vai acontecer entre Daenerys Targaryen e Jon Snow? Como lidaremos com a morte do dragão Viserion e a ressurreição do Rei da Noite? Não percam o sétimo e último episódio da sétima temporada de #GoT, intitulado The Dragon and The Wolf. Nós estaremos pela House Raposo, a Casa Lusa de Westeros, a assistir na primeira fila, com a Rita da Nova e o Guilherme Fonseca.


Acompanhem as receitas das restantes bloggers do projeto Páginas Salteadas:
Catarina Sousa, Joan of July
Vânia Duarte, Lolly Taste
Andreia Moita, Andreia Moita Blog

6 comentários:

  1. Não conhecia o blog e foi uma agradável surpresa. Senti uma calma imediata e um sentimento reconfortante só a ler o texto. Por isso vou ficar leitora assídua. Obrigada por este momento hygge 😊

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sabes como isso me deixa feliz! Serás sempre bem-vinda neste cantinho.

      Beijinho gigante ❤

      Eliminar
  2. Adorei as fotos!! Não sou nada de comer comida saudável mas apetece experimentar a receita ahah

    O teu blog foi nomeado para uma TAG!
    http://azuenture.blogspot.pt/2017/08/tag-liebster-award.html

    Beijinhos :)

    AZUENTURE

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não aguento tanto comentário bonito. Mil obrigadas, minha querida. (:
      Prometo que responderei a esta tag com a máxima brevidade.
      Xi-❤

      Eliminar
  3. Parece delicioso! E as fotografias - e as receitas - parecem-me completamente adequadas à filosofia dinamarquesa.

    ResponderEliminar

Instagram