viajar até Midnight, Texas, com o canal SYFY


Lembram-se da Sidney Cooke, da mítica série de Chuck Norris, Walker, The Ranger Texas? A personagem interpretada por Nia Peeples era uma das minhas referências de mulher-guerreira, a par da  Xena, The Warrior Princess. O look texano, o chapéu castanho de cowgirl, o espírito selvagem, a pele morena de índia... Posso continuar, mas certamente já todos perceberam que a atriz reunia as características essenciais a uma deusa-brisa, right? Os episódios deixaram de ser transmitidos em Portugal, mas o capricho de ser uma alma cigana, esse, não se extinguiu com o tempo - é antes um desígnio que flameja. 


Quando recebi o convite do canal por cabo SYFY para a estreia exclusiva da nova sérieMidnight, Texas, fiquei num estado descompassado de adrenalina. Li a sinopse e bastou-me saber que havia uma linhagem gypsy, atividades paranormais e um Mr. Snuggly (um gato amarelo com a personalidade de Salem, o companheiro de Sabrina, The Teenage Witch), para arrastar o Gonçalo até aos Nirvana Studios, um dos meus espaços favoritos do momento.

Optámos por não ir com os restantes fãs do canal nos autocarros que partiam de Belém, uma vez que o espaço pensado para o evento fica a cinco minutos de carro da nossa casa. Quando chegámos ao ponto de encontro fomos recebidos pelo intenso e entusiasmante ambiente motard, por Xylda (a falecida avó cigana de Manfred, a personagem central da trama), Aubrey Harrison (a noiva de Bobo, que é encontrada morta em Midnight, no primeiro episódio) e Lemuel Bridger (o vampiro que se apaixona por Olivia), e pelos deliciosos hambúrgueres premium da roulote de street food Trinkaki


Já passaram duas semanas desde a estreia oficial de Midnight, Texas, no SYFY e, confesso-vos que, lá por casa, estamos absolutamente viciados no enredo. Na verdade, o facto de termos tido oportunidade de assistir ao screening do primeiro episódio no Custom Café, nos Nirvana Studios que, em certa medida, se aproxima à decoração de Home Cookin, o diner gerido por Madonna Reed e onde Creek trabalha - ajudou a que ficasse colada ao ecrã.


Baseada na saga Midnight Crossroad, de Charlaine Harris (a mente criativa por trás de True Blood), a história acompanha o médium Manfred Bernardo (François Arnaud dá-lhe vida), descendente de uma família de cartomantes nómadas. SPOILER ALERT! Na sua primeira cena ficamos com a sensação de que estamos perante um gigolo profissional. Porquê? Well, quando abre a porta da sua casa a uma cliente, mais velha e aparentemente abastada, Manfred sorri com malícia e diz-lhe que as suas taxas aumentaram - em plano de fundo, uma música sensual toca em crescendo. Na sequência seguinte, a câmara entra sorrateiramente pelo quarto, revelando-nos uma cama intacta e um diálogo promíscuo. Mas tudo isto são truques para nos confudir a mente; na verdade, Manfred e a mulher-mistério, Rachel, estão sentados frente a frente, numa mesa de tarot repleta de velas. O protagonista está, afinal, a invocar o espírito do marido falecido.

Mais uma vez aqui, o guião parece querer que acreditemos que Manfred é apenas mais um charlatão, mas é praticamente impossível. Neste momento, já estamos embevecidos por aquele sorriso de bad boy, que, apesar de tudo, parece ter bom coração. A entidade sobrenatural revolta-se, estilhaça um espelho e possui o corpo do médium. Aqui percebemos que Manfred é, afinal de contas, um herói e consegue controlar os impulsos dos fantasmas, impedindo-os de atacarem os humanos.


Infelizmente, os valentes também têm as suas falhas e desventuras; Manfred esconde-se de Hightower, um cobrador de dívidas, que lhe liga incessantemente e que promete que o encontrará quando ele menos esperar, para ajustarem contas do passado. O protagonista da série decide, então, seguir o conselho da sua falecida avó Xylda (Joanne Camp) e trocar Dallas por uma pequena cidade deserta.

Quando chega a Midnight na sua carrinha hippie, depara-se com uma estética invulgar e um grupo misterioso, composto por Creek Lovell (Sarah Ramos, que tão bem nos recordamos da série Parenthood), Bobo Winthrop, Fiji Cavanaugh (o meu alter ego e a minha personagem de eleição), Olivia Charity, Joe Strong (o sexy Smith Jerrod, de Sex and The City), Lemuel Bridger e Emilio Sheehan. Mas Manfred mal sabe todos os perigos que terá ainda de enfrentar e os esqueletos que guardará no armário. 


Digam lá se o meu noivo viking não estava um arraso na entrevista para o canal?

Aliciei-vos o suficiente? Não percam os episódios de Midnight, Texas. Segundas-feiras, às 22h15, no SYFY.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Instagram